Perfumes

Águas de Verão - Cavalheiros - Eau de Toilette, fragrância seco amadeirada. O mais antigo perfume masculino ainda produzido no Brasil. Fórmula original, desde 1976.

Águas de Verão - Cavalheiros - Eau de Toilette, fragrância seco amadeirada. O mais antigo perfume masculino ainda produzido no Brasil. Fórmula original, desde 1976.

mais informações

Águas de Verão - Cavalheiros - Eau de Toilette, fragrância seco amadeirada. O mais antigo perfume masculino ainda produzido no Brasil. Fórmula original, desde 1976.

mais informações

As combinações acima não possuem estoque.

Só temos 31 em estoque. Adicionamos todos em seu carrinho. Compre logo antes que acabe!

Produto temporariamente indisponível

Informe seu nome e e-mail abaixo e avisaremos assim que o produto estiver disponível.

Seu nome:

Seu e-mail:

Avise-me quando chegar

Descrição do Produto

"Em 1976, comecei a pesquisar óleos essenciais brasileiros e vi que muitos deles eram exportados e entravam na composição de diversos perfumes estrangeiros, alguns famosos como o Chanel Nº 5 cuja base é o óleo de pau rosa da Amazônia. Criei algumas composições, mas a primeira delas foi para um perfume masculino, que fiz para mim mesmo, e chamei de Águas de Verão em homenagem a uma música do Tom Jobim (Águas de Março), gravada por Elis Regina, ambos amigos de meus pais.

É uma fragrância amadeirada e, apesar de ter sido criada para homens, é muito usado por mulheres, que não gostam de fragrâncias doces, florais.

O Águas de Verão é um perfume 100% nacional não teve inspiração em perfumes estrangeiros. Nenhum outro se parece com ele. Agradou desde o primeiro frasco, foi uma grata surpresa num paí­s que sempre prezou muito tudo o que vem de fora. Atualmente, é o perfume masculino há mais tempo fabricado no Brasil, nenhum ficou tantos anos em produç]ao ininterrupta. E isso é significativo, por ser uma espécie de valorização do que é nosso, genuinamente brasileiro, nosso perfume mais antigo, e mais vendido, não leva qualquer ingrediente importado em sua composição."

Ricardo Penafiel Malta, trecho da entrevista concedida a revista Olfato

 

Fale conosco